Dentista americano que matou leão símbolo do Zimbábue pede desculpas em carta para seus pacientes

facha do consultorio do dentista que matou o leao cecil

Fachada do consultório do dentista Walter Palmer em Minesota

O dentista norte-americano Walter Palmer ficou conhecido na última semana por ser o caçador que matou o leão Cecil, animal símbolo do Zimbábue, Palmer como reportamos aqui no Mundo Animal esta sendo alvo de diversos protestos, e teve que fechar seu consultório.

Em carta a seus pacientes Palmer disse o seguinte:

Eu lamento profundamente que minha busca por uma atividade que eu amo e que pratico com responsabilidade e de maneira legal tenha resultado na morte deste leão”, escreve o dentista de Minnesota, nos Estados Unidos. A carta foi divulgada pela emissora Fox 9.

DentistaPalmerCecil1

Veja na íntegra:

“Aos meus estimados pacientes. Como vocês já devem saber, eu tenho estado no noticiário nos últimos dias por razões que nada têm a ver com minha profissão ou o cuidado que dedico a vocês. Quero que vocês tomem conhecimento desta situação e do meu envolvimento. Além de passar tempo com minha família, uma de minhas paixões fora do campo da ortodontia é a caça. Eu tenho caçado durante toda a minha vida, desde que era uma criança em Dakota do Norte. Eu não costumo falar sobre caça com meus pacientes porque pode ser um assunto que divide opiniões e provoca reações emocionais. Eu entendo e respeito que nem todos dividem os mesmos pontos de vista em relação à caça.

No início de julho, eu estava no Zimbábue em uma viagem de caça com arco e flecha. Eu contratei vários guias profissionais e eles me asseguraram todas as permissões legais. Pelo meu conhecimento, tudo que se relacionava a esta viagem estava dentro dos limites legais e foi devidamente conduzido. Eu não tinha ideia de que o leão que matei era um animal conhecido e estimado, carregando uma coleira como parte de um estudo até o final da caçada. Eu confiei no conhecimento de meus guias profissionais para garantir uma caçada legalizada. Eu não fui contatado pelas autoridades no Zimbábue ou nos Estados Unidos sobre esta situação, mas irei ajudá-los em quaisquer questões que eles possam ter.

Novamente, eu lamento profundamente que minha busca por uma atividade que eu amo e pratico com responsabilidade tenha resultado na morte deste leão. Essa nunca foi minha intenção. O interesse da mídia por este assunto – juntamente com um número substancial de comentários e telefonemas de pessoas que estão furiosas com esta situação e pela prática da caça em geral – tem causado problemas ao meu negócio e minha habilidade de atender a meus pacientes. Por isso, eu peço desculpas profundamente por esta inconveniência e prometo que farei o possível para retomar minhas atividades assim que possível. Estou trabalhando para que pacientes com necessidades imediatas sejam encaminhados a outros dentistas e vou mantê-los informados sobre fatos futuros. Em nome de toda a equipe da River Bluff Dental, muito obrigado por seu apoio.”

A clínica River Bluff tirou seu site do ar e deletou sua página do Facebook. A página do dentista no Yelp está cheia de mensagens de pessoas que acusam Palmer de assassinato. A autoridade que gerencia os parques e reservas do Zimbábue divulgou comunicado afirmando que a morte de Cecil foi provavelmente um ato ilegal. “Investigações ainda não concluídas indicam que a morte do leão foi ilegal, já que o dono das terras não possuía permissão para caça de um leão em sua quota para 2015. Dessa maneira, todas as pessoas envolvidas no caso devem ser convocadas perante um tribunal sob a acusação de caça ilegal”, diz a nota.

Nossa opinião: pedir desculpas é pouco para a atrocidade que este dentista fez, no mínimo ele deveria ajudar entidades de proteção dos animais, o mesmo gastou $50 mil para caçar Cecil, imagina quantos animais este dinheiro ajudaria, este homem é um verdadeiro monstro.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.